Notícias

Rifas de S. Martinho

Folha Paroquial "Partilhar" de Outubro de 2021

Programa Pastoral 2021-2022

 

Folha Paroquial "Partilhar" de Setembro de 2021

Folha Paroquial "Partilhar" de Agosto de 2021

Folha Paroquial "PARTILHAR" de Julho de 2021

Folha Paroquial "PARTILHAR" de Junho de 2021

Matrícula pela 1ª vez para a Catequese

 

Matrículas na catequese

Inscrição pela 1ª vez:   https://forms.gle/jMm5VEZy8rQ7FWNvg

 

Folha Paroquial "Partilhar" de Maio / 2021

Folha Paroquial "Partilhar" de Abril / 2021

 

COMUNICADO do Conselho Permanente da CEP

 

  1. O Conselho Permanente refletiu sobre a situação atual da pandemia e decidiu que as celebrações da Eucaristia com a presença da assembleia sejam retomadas a partir do dia 15 de março, observando as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa de 8 de maio de 2020, em consonância com as normas das autoridades de saúde.

Quanto à celebração doutros sacramentos, observem-se as normas de segurança e de saúde referidas nas mesmas orientações.

Nesta fase evitar-se-ão procissões e outras expressões da piedade popular, como as “visitas pascais” e a “saída simbólica” de cruzes, de modo a evitar riscos para a saúde pública.

A Assembleia Plenária da CEP de 12-15 de abril de 2021 reavaliará estas orientações, tendo em conta a situação de pandemia no país.

 

  1. Na sequência da Nota da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (17.2.2021), apresentamos algumas orientações para as celebrações da Semana Santa.
  • Para o Domingo de Ramos, a Comemoração da entrada de Jesus em Jerusalém seja celebrada com a segunda forma prevista pelo Missal Romano. Evitem-se os ajuntamentos dos fiéis; os ministros e os fiéis tenham nas mãos o ramo de oliveira ou a palma que trazem consigo; de nenhum modo seja permitido a entrega ou a troca de ramos. Onde for oportuno utilize-se a terceira forma do Missal Romano, que comemora de forma simples a entrada do Senhor em Jerusalém.
  • Missa crismalseja celebrada na manhã de Quinta-feira Santa ou, segundo o costume de algumas Dioceses, na Quarta-feira de tarde. Se não for possível «uma representação significativa de pastores, ministros e fiéis», o Bispo diocesano avalie a possibilidade de transferi-la para outro dia, de preferência dentro do Tempo Pascal.
  • Quinta-feira Santa, na Missa vespertina da “Ceia do Senhor” omita-se o lava-pés. No final da celebração, o Santíssimo Sacramento poderá ser levado, como se prevê no rito, para o lugar da reposição numa capela da igreja onde se possa fazer a adoração, no respeito das normas para o tempo da pandemia.
  • Sexta-feira Santa, retomando a indicação do Missal Romano (“Em caso de grave necessidade pública, pode o Ordinário do lugar autorizar ou até decretar que se junte uma intenção especial”), o Bispo introduza na oração universal uma intenção «pelos doentes, pelos defuntos e pelos doridos que sofreram alguma perda». O ato de adoração da Cruz mediante o beijo seja limitado só ao presidente da celebração.
  • Vigília pascalpoderá ser celebrada em todas as suas partes como previsto pelo rito.

          Lisboa, 11 de março de 2021

Folha Paroquial "Partilhar" de Março / 2021

Quarta-feira de Cinzas

 

 

Celebração da Bênção e imposição das Cinzas

com o Pároco em directo

 

Guião da  Celebração familiar das Cinzas

 

 

Quaresma 2021

 

 

Caminhada  da

 

Quaresma

 

2021

Folha Partilhar Fevereiro 2021

Orientações para as Celebrações e Actividades Paroquiais

Folha Partilhar Janeiro 2021

Folha Partilhar Dezembro de 2020

Nota da Conferência Episcopal Portuguesa

Celebrar e viver a fé em tempo de pandemia

– Nota da Conferência Episcopal Portuguesa

Nov 13, 2020 - 14:33

 

1. Os Bispos de Portugal vivem na fé e na confiança a presente situação de pandemia, fazendo suas as dificuldades e sofrimentos dos concidadãos. Em particular, veem preocupados o alastrar da Covid-19, com riscos agravados para a vida e saúde de tantos irmãos e irmãs. Dada a gravidade da situação, apelamos a todos para que adotem comportamentos responsáveis nos mais diversos setores da sua vida e atividade e respeitem as determinações das autoridades constituídas, com o objetivo de travar e controlar a vaga de contágios. Em particular, este comportamento responsável deve ser vivido após as celebrações litúrgicas mais festivas (Batizados, Comunhões, Crismas e Casamentos), evitando sempre as concentrações fora das igrejas e nas próprias casas.

2. Recordamos que, segundo a lei litúrgica, a celebração do Domingo começa com as primeiras vésperas. A lei canónica alargou o tempo útil para a participação na Missa de preceito para a tarde precedente. Trata-se de uma lei geral da Igreja que só pode ser alterada pela Sé Apostólica. A impossibilidade de cumprir o preceito dominical não dispensa ninguém – nem mesmo quem não pode ou não deve sair de casa por motivos alheios à sua vontade – de cumprir o mandamento divino de santificar o dia do Senhor. Isso pode fazer-se de múltiplas formas, vivendo na alegria espiritual o dia da ressurreição do Senhor Jesus: participar na Eucaristia no sábado ou noutro dia da semana; realizar com amor os serviços da convivência familiar, sem descurar o conveniente repouso do corpo e do espírito; dedicar um tempo razoável à oração pessoal e, se possível, em família, com a leitura da Sagrada Escritura e outros exercícios de piedade; unir-se espiritualmente, se possível, a alguma celebração eucarística transmitida pela rádio, televisão ou internet; estabelecer contacto, pelos meios disponíveis, com familiares, amigos e conhecidos, privilegiando os que mais sofrem a doença ou a solidão; estar solidariamente atentos às necessidades e alegrias dos vizinhos.

3. Caso não seja possível a realização da catequese presencial, pedimos aos catequistas para se manterem em contacto com os catequizandos e suas famílias e que, grupo por grupo, vão avaliando as possibilidades de lhes proporcionarem este serviço: por meios digitais e outros, direcionados preferentemente aos pais, no caso da catequese da infância, para que sejam estes, como primeiros catequistas, a transmitirem aos seus filhos a mensagem cristã. Em todo o caso, responsabilizem-se os pais pelo acompanhamento dos filhos durante eventuais sessões de catequese à distância para os ajudarem a concentrar-se nas mesmas e para esclarecer as incompreensões e dúvidas que os filhos possam ter; sem este envolvimento da família, a catequese por meios digitais será uma ilusão.

4. Damos graças a Deus pelo trabalho dedicado e criativo dos sacerdotes, diáconos e agentes pastorais, ao serviço das comunidades, Instituições Particulares de Solidariedade Social e capelanias, para viver, partilhar e encorajar a fé que produz esperança e confiança na presença de Deus que nos ajuda a superar as dificuldades presentes e a ir ao encontro de quem mais precisa.

5. Confiamos todos vós, as vossas famílias e as vossas comunidades ao amparo de Santa Maria, Senhora do Rosário de Fátima e Mãe da Igreja, pedindo, por sua intercessão, que o Senhor nos confirme na fé e na caridade, nos ajude a superar esta crise e a colaborar na construção de um mundo mais solidário e fraterno.

Fátima, 13 de novembro de 2020

Folha Partilhar Novembro de 2020

Folha Partilhar Outubro 2020

Para abrir clique na imagem

Noite Super Heróis

No próximo dia 31 de Outubro realiza-se a Noite dos Super Heróis.

Por causa da Pandemia num modelo bastante diferente.

Assim , para participar basta que faças uma pequena pesquisa sobre um Santo com o teu Nome e Publicar no padlet dos Super Heróis. 

Depois no sábado entre as 19h 30m e as 21h e 30 m podes levantar uma surpresa para ti no Centro Paroquial.

Tens que ter menos de 16 anos . 

https://padlet.com/catequesedealbergaria09/7mtvtj2kmwucpv7

Atreve-te....

Plano Pastoral Anual 2020-2021

Folha Paroquial Partilhar de Setembro 2020

Catequese 2020/21

Reuniões de Pais:

Terça-feira 1 de Setembro reunião com os pais do 4º e 7º Ano da Catequese

Quarta-feira 2 de Setembro reunião com os pais do 1º, 2º e 3º Ano da Catequese

Quinta-feira 3 de Setembro reunião com os pais do 5º, 6º, 8º, 9º e 10º  Ano da Catequese

Todas as crianças/ adolescentes devem ser representadas pelo encarregado de educação.

As reuniões serão na Igreja Matriz  às 21.00h e serão seguidas todas as normas recomendadas pela DGS 

Folha Paroquial Partilhar Agosto 2020

Ano Pastoral 2020_21

A partir de 1 de Setembro iniciamos alguns encontros .

Iníciamos um novo Ano Pastoral, embora com as devidas adaptações devido à situação sanitária actual.

Nos próximos dias serão apresentadas datas importantes para o início do Novo Ano Pastoral.

Estejamos Atentos

Folha Paroquial Partilhar Julho 2020

Nossa Senhora do Socorro 2020

Orientações de Desconfinamento

Neste fim-de-semana retomamos as celebrações litúrgicas comunitárias na nossa Paróquia. Bendizemos ao Senhor Jesus Cristo que não nos abandonou neste tempo difícil e agradecemos à Virgem Santa Maria a intercessão nas nossas necessidades, para sermos capazes de compreender e viver todos os acontecimentos pessoais e comunitários como momentos de salvação.

Saiba mais...

Folha Paroquial Partilhar Junho 2020

Maio - 4ª Semana

Maio- 3ª Semana

Maio-2ª Semana

Maio- 1ª Semana

 

Intodução ao mês de Maio Clique

Folha Paroquial (Partilhar) - Maio 2020

Maio, a Nossa Igreja Matriz

 

 

Matriculas catequese de 4 a 17 de Maio de 2020

 

Impresso de Inscrição   Clique aqui

Domingo de Páscoa

 

Via Sacra Paroquial

Clique na imagem para ver

Orientações para a semana Santa

Clique aqui para ver as restantes páginas

Carta às Famílias

Estimados Paroquianos…

Uma vez mais desejo que se encontrem todos bem de saúde.

Faço votos para que cada esteja a fazer o que deve fazer neste contexto de epidemia. Certamente que alguns de vós continuam a trabalhar, talvez até mais horas e em condições mais difíceis. Outros, porém, em isolamento, como forma de colaborar para travar a propagação do vírus, e para o bem de todos nós.

Acredito que tendes aproveitado este tempo também para rezar.

Como subsídio de leitura e actividades envio dois materiais disponibilizados gratuitamente pela editora Paulus. Um link refere-se à “Liturgia Diária” e que tem entre outras coisas as leituras das missas de todos os dias do mês de Março e do mês de Abril. O outro link refere-se a um volume chamado “Domingo Júnior” e que é próprio para os mais novos e com ilustrações muito giras. Acompanha a liturgia do Tempo da Quaresma e Tempo Pascal. Aproveitai a Liturgia Diária e incentivai e ajudai os mais novos a usufruírem do “Domingo Júnior”.

Links para Download:

“Liturgia Diária de Março”:

https://www.dropbox.com/s/hbvp2prnwcpl250/ld_abril_2020_marcadagua.pdf?dl=0

“Liturgia Diária de Abril”:

https://www.dropbox.com/s/7p0fpjsy5gajqd3/ld_marco_2020_marcadagua.pdf?dl=0

“Domingo Júnior”:

https://www.dropbox.com/s/octur723ebej9sa/palavra_de_deus_e_atividades_3.pdf?dl=0

Que este tempo de provação sirva também para um maior crescimento e convivência em família: uma educação/transmissão de valores mais intensa aos mais novos.

Em família procurai aproveitar também para manusear a Bíblia (Palavra de Deus); ler excertos e usá-la na vossa oração. É importante a participação, pelo menos na Missa Dominical, e que agora será certamente muito mais fácil por ter de ser através da TV, Internet ou da rádio. Para quem tiver o canal da “Canção Nova” poderá também ser uma mais valia.

Nas minhas orações e Eucaristias celebradas sem a presença do “povo” tenho presente sempre as vossas intenções e as vossas famílias.

Quem tiver alguma intenção particular que deseje que eu reze em especial, que me faça chegar o pedido. Rezarei convosco e para vós a vossa intenção.

Tenho rezado por vós… Rezai vós também por mim…

Com a Confiança que em tudo Deus está sempre presente e com a Esperança de que dias melhores virão, me despeço, com amizade e estima,

O Vosso Pároco,

Pe Manuel Dinis

Aviso

Todas as Actividades da Paróquia de

Albergaria-a-Velha, estão suspensas

por tempo indeterminado.

Com excepção dos Funerais, 

Santa Unção e Documentação,

que estão sujeitos a orientações próprias

analisados caso a caso.

(abrir p.f)

Viagem a Irlanda e Irlanda do Norte

Caminhada da Quaresma Ano A

Inauguração da Igreja de S. Gonçalo

Visita Pastoral de 7 a 12 de Janeiro

Advento (Ano A) 2019

 

X Festival de Sopas

Catequese

Matrículas na catequese

Mais Informações

Encerramento do Mês de Maio

Matrículas na Catequese Paroquial 2019/2020

Terço Procissões de Velas 2019

                                               Guião

Mês de Maio

Abertura mês de Maio 2019

   Clique Aqui

                                              Guião

Semana Missionária Paroquial

I Domingo da Páscoa (2019 Ano C )

Semana V da Quaresma (2019-Ano C)

Semana IV da Quaresma (2019-Ano C)

Semana III da Quaresma (2019-Ano C)

Semana II da Quaresma (2019-Ano C)

 

19 de Março (Dia de S. José)




S. José, Esposo de Maria e Padroeiro da Igreja
Olhemos para José como o modelo do educador, que protege e acompanha Jesus no seu caminho de crescimento, «em sabedoria, idade e graça», como reza o Evangelho de Lucas (2, 52).

Ele era o pai de Jesus:
o pai de Jesus era Deus, mas ele desempenhava o papel de pai de Jesus; era pai de Jesus para o fazer crescer. E como o fez crescer? Em sabedoria, idade e graça.

E podemos procurar utilizar precisamente estas três palavras – sabedoria, idade e graça – como uma base para a nossa reflexão.

Comecemos pela idade, que constitui a dimensão mais natural, o crescimento físico e psicológico. Juntamente com Maria, José cuidava de Jesus antes de tudo a partir deste ponto de vista, ou seja, “criou-o”, preocupando-se a fim de que não Lhe faltasse o necessário para um desenvolvimento sadio.

Não esqueçamos que a tutela cheia de esmero da vida do Menino comportou também a fuga para o Egipto, a dura experiência de viver como refugiados (…). Há outro período da vida escondida de Jesus na sua família, no seio da Sagrada Família.

Naqueles anos, José também ensinou a Jesus o seu trabalho,
e Jesus aprendeu a profissão de carpinteiro, juntamente com o seu pai José. Foi assim que José educou Jesus, a tal ponto que, quando era adulto, lhe chamavam “o filho do carpinteiro” (Mt 13, 55).

Passemos à segunda dimensão da educação de Jesus, a da “sabedoria” (…). José foi para Jesus exemplo e mestre desta sabedoria, que se alimenta da Palavra de Deus (…).

E a prova da escuta profunda de Jesus em relação a Deus, José e Maria tiveram-na – de uma maneira que os surpreendeu -. Quando Ele, com doze anos, permaneceu no templo de Jerusalém sem que eles o soubessem; e encontraram-no depois de três dias, enquanto dialogava com os doutores da lei, os quais ficaram admirados com a sua sabedoria.

Eis: Jesus está repleto de sabedoria, porque é o Filho de Deus. Mas o Pai celeste valeu-se da colaboração de São José a fim de que o seu Filho pudesse crescer “cheio de sabedoria” (Lc 2, 40).

Papa Francisco, Extractos da Audiência de 19 de Março de 2014.

Semana I da Quaresma (2019-Ano C)

Mensagem do Bispo de Aveiro para a Quaresma 2019

 

Sepultados com Ele no Batismo, foi também com Ele que ressuscitastes (Col 2,12)

O tempo de preparação rumo à Páscoa é propício para refletir sobre a vida cristã, a vida que provém do próprio Cristo. Para isso, temos de reavivar a consciência do sacramento que nos permite imergir no mistério de Cristo: o Batismo, tal como nos propõe o nosso Programa Pastoral.

A palavra Batismo significa mergulhar, imergir. Este mergulhar nas águas simboliza o sepultamento do homem velho na morte de Cristo, da qual com Ele ressuscita, como nova criatura (cf. 2Cor 5,17; Gl 6,15). O Batismo é a experiência que cada cristão faz em si mesmo da paixão, morte e ressurreição de Jesus.

A centralidade de Deus na nossa vida constitui uma primeira consequência do Batismo. Reunidos com Cristo pelo Batismo, os cristãos são constituídos Povo de Deus, feitos novas criaturas pela água e pelo Espírito Santo, sendo chamados de verdade filhos de Deus. O Batismo constitui o nascimento para uma vida nova em Cristo. É o primeiro sacramento da Nova Lei que Cristo confiou à Igreja quando disse aos apóstolos: – “Ide, fazei discípulos de todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto vos ordenei” (Mt 28,19).

São Paulo associa o Batismo à morte e ressurreição de Cristo. Afirma que é pela fé na ressurreição de Cristo que nós fomos regenerados: – “Sepultados com Ele no Batismo, foi também com Ele que fostes ressuscitados, pela fé que tendes no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos” (Col 2,12). Pelo Batismo, a vida do Ressuscitado habita em nós. – “Pelo Batismo fomos, pois, sepultados com Ele na morte, para que, tal como Cristo foi ressuscitado de entre os mortos, pela glória do Pai, também nós caminhemos numa vida nova” (Rm 6,4). O Batismo é uma primeira etapa da Ressurreição: imersos em Deus, já nos encontramos mergulhados na vida indestrutível de Deus.

Superando de longe as purificações da antiga lei, o Batismo produz estes efeitos pela força do mistério da Paixão e Ressurreição do Senhor. Na verdade, os que são batizados são configurados com Cristo por morte semelhante à sua, sepultados com Ele na morte, também n’Ele são restituídos à vida e juntamente com Ele ressuscitam.

Com efeito, no sacramento do Batismo, nada mais se comemora e realiza senão o mistério pascal, enquanto nele os homens e as mulheres passam da morte do pecado para a vida. Como refere o Papa Francisco na Mensagem para esta Quaresma, “quando se abandona a lei de Deus, a lei do amor, acaba por se afirmar a lei do mais forte sobre o mais fraco.

O pecado – que habita no coração do homem (cf Mt 7,20-23), manifestando-se como avidez, ambição desmedida de bem-estar, desinteresse pelo bem dos outros e muitas vezes também do próprio – leva á exploração da criação (pessoas e meio ambiente), movidos por aquela ganância insaciável que considera todo o desejo um direito e que, mais cedo ou mais tarde, acabará por destruir inclusive quem está dominado por ela”.

A nossa caminhada quaresmal

Mediante o encontro pessoal com Cristo Redentor e através do jejum, da esmola e da oração, o nosso caminho de conversão rumo à Páscoa deve levar-nos a redescobrir o nosso Batismo, através de algumas práticas penitenciais:

1º Testemunhar ao longo deste Ano Missionário a necessidade de viver a vocação cristã, nascida do Batismo, nas ocupações de cada dia, não tendo medo nem vergonha de anunciar a Boa Nova de Jesus quer nas nossas comunidades cristãs quer mesmo em terras de missão.

2º Cultivar um estilo de vida simples e austero, partilhando os nossos bens com os mais necessitados. Ver menos televisão, usar menos o facebook como meio de expor a vida pessoal e a dos outros, o instagram, o whatsApp… tudo isso pode ajudar-nos a viver o silêncio como um meio privilegiado de encontro connosco mesmos e com os outros.

3º Andar sempre na presença de Deus, procurando na oração um coração semelhante ao Coração misericordioso de Deus Pai.

4º Viver as “24 horas para o Senhor” de forma comunitária, porque só partilhando a Palavra e celebrando juntos a Eucaristia e o sacramento da Reconciliação somos cada vez mais irmãos e vamo-nos transformando, pouco a pouco, em comunidade santa e missionária.

5º Celebrar o Lausperene diocesano que se inicia a 3 de março na Paróquia de Agadão e termina a 16 de junho na Paróquia de Vilarinho do Bairro, tendo sempre como intenção primeira a causa das vocações sacerdotais e de consagração.

6º Partilhar a nossa Renúncia Quaresmal com os nossos irmãos da Venezuela que estão a passar por momentos muito difíceis quer na vivência como povo quer na satisfação das necessidades básicas (alimentação, saúde…) e a quem somos também devedores pelo seu contributo partilhado anteriormente com tantas paróquias e centros sociais da nossa Diocese.

No domingo de Páscoa, os apóstolos receberam a vida nova do Ressuscitado, foram transfigurados em Cristo. Cabe a nós batizados, testemunhas da sua ressurreição, anunciar ao mundo que Ele está vivo no meio de nós e que a partir d’Ele um novo horizonte de vida se abre para o ser humano e para toda a criação.

 * Bispo de Aveiro.

Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2019

 

«A criação encontra-se em expetativa ansiosa, aguardando a revelação dos filhos de Deus» (Rm 8, 19)


Queridos irmãos e irmãs!

Todos os anos, por meio da Mãe Igreja, Deus «concede aos seus fiéis a graça de se prepararem, na alegria do coração purificado, para celebrar as festas pascais, a fim de que (…), participando nos mistérios da renovação cristã, alcancem a plenitude da filiação divina» (Prefácio I da Quaresma). Assim, de Páscoa em Páscoa, podemos caminhar para a realização da salvação que já recebemos, graças ao mistério pascal de Cristo: «De facto, foi na esperança que fomos salvos» (Rm 8, 24). Este mistério de salvação, já operante em nós durante a vida terrena, é um processo dinâmico que abrange também a história e toda a criação. São Paulo chega a dizer: «Até a criação se encontra em expetativa ansiosa, aguardando a revelação dos filhos de Deus» (Rm 8, 19). Nesta perspetiva, gostaria de oferecer algumas propostas de reflexão, que acompanhem o nosso caminho de conversão na próxima Quaresma.

 

1.  A redenção da criação
A celebração do Tríduo Pascal da paixão, morte e ressurreição de Cristo, ponto culminante do Ano Litúrgico, sempre nos chama a viver um itinerário de preparação, cientes de que tornar-nos semelhantes a Cristo (cf. Rm 8, 29) é um dom inestimável da misericórdia de Deus.

Se o homem vive como filho de Deus, se vive como pessoa redimida, que se deixa guiar pelo Espírito Santo (cf. Rm 8, 14), e sabe reconhecer e praticar a lei de Deus, a começar pela lei gravada no seu coração e na natureza, beneficia também a criação, cooperando para a sua redenção. Por isso, a criação – diz São Paulo – deseja de modo intensíssimo que se manifestem os filhos de Deus, isto é, que a vida daqueles que gozam da graça do mistério pascal de Jesus se cubra plenamente dos seus frutos, destinados a alcançar o seu completo amadurecimento na redenção do próprio corpo humano. Quando a caridade de Cristo transfigura a vida dos santos – espírito, alma e corpo –, estes rendem louvor a Deus e, com a oração, a contemplação e a arte, envolvem nisto também as criaturas, como demonstra admiravelmente o «Cântico do irmão sol», de São Francisco de Assis (cf. Encíclica Laudato si’, 87). Neste mundo, porém, a harmonia gerada pela redenção continua ainda – e sempre estará – ameaçada pela força negativa do pecado e da morte.

 

2.  A força destruidora do pecado
Com efeito, quando não vivemos como filhos de Deus, muitas vezes adotamos comportamentos destruidores do próximo e das outras criaturas – mas também de nós próprios –, considerando, de forma mais ou menos consciente, que podemos usá-los como bem nos apraz. Então sobrepõe-se a intemperança, levando a um estilo de vida que viola os limites que a nossa condição humana e a natureza nos pedem para respeitar, seguindo aqueles desejos incontrolados que, no livro da Sabedoria, se atribuem aos ímpios, ou seja, a quantos não têm Deus como ponto de referência das suas ações, nem uma esperança para o futuro (cf. 2, 1-11). Se não estivermos voltados continuamente para a Páscoa, para o horizonte da Ressurreição, é claro que acaba por se impor a lógica do tudo e imediatamente, do possuir cada vez mais.

Como sabemos, a causa de todo o mal é o pecado, que, desde a sua aparição no meio dos homens, interrompeu a comunhão com Deus, com os outros e com a criação, à qual nos encontramos ligados antes de mais nada através do nosso corpo. Rompendo-se a comunhão com Deus, acabou por falir também a relação harmoniosa dos seres humanos com o meio ambiente, onde estão chamados a viver, a ponto de o jardim se transformar num deserto (cf. Gn 3, 17-18). Trata-se daquele pecado que leva o homem a considerar-se como deus da criação, a sentir-se o seu senhor absoluto e a usá-la, não para o fim querido pelo Criador, mas para interesse próprio em detrimento das criaturas e dos outros.

Quando se abandona a lei de Deus, a lei do amor, acaba por se afirmar a lei do mais forte sobre o mais fraco. O pecado – que habita no coração do homem (cf. Mc 7, 20-23), manifestando-se como avidez, ambição desmedida de bem-estar, desinteresse pelo bem dos outros e muitas vezes também do próprio – leva à exploração da criação (pessoas e meio ambiente), movidos por aquela ganância insaciável que considera todo o desejo um direito e que, mais cedo ou mais tarde, acabará por destruir inclusive quem está dominado por ela.

 

3.  A força sanadora do arrependimento e do perdão
Por isso, a criação tem impelente necessidade que se revelem os filhos de Deus, aqueles que se tornaram «nova criação»: «Se alguém está em Cristo, é uma nova criação. O que era antigo passou; eis que surgiram coisas novas» (2 Cor 5, 17). Com efeito, com a sua manifestação, a própria criação pode também «fazer páscoa»: abrir-se para o novo céu e a nova terra (cf. Ap 21, 1). E o caminho rumo à Páscoa chama-nos precisamente a restaurar a nossa fisionomia e o nosso coração de cristãos, através do arrependimento, a conversão e o perdão, para podermos viver toda a riqueza da graça do mistério pascal.

Esta «impaciência», esta expetativa da criação ver-se-á satisfeita quando se manifestarem os filhos de Deus, isto é, quando os cristãos e todos os homens entrarem decididamente neste «parto» que é a conversão. Juntamente connosco, toda a criação é chamada a sair «da escravidão da corrupção, para alcançar a liberdade na glória dos filhos de Deus» (Rm 8, 21). A Quaresma é sinal sacramental desta conversão. Ela chama os cristãos a encarnarem, de forma mais intensa e concreta, o mistério pascal na sua vida pessoal, familiar e social, particularmente através do jejum, da oração e da esmola.

Jejuar, isto é, aprender a modificar a nossa atitude para com os outros e as criaturas: passar da tentação de «devorar» tudo para satisfazer a nossa voracidade, à capacidade de sofrer por amor, que pode preencher o vazio do nosso coração. Orar, para saber renunciar à idolatria e à autossuficiência do nosso eu, e nos declararmos necessitados do Senhor e da sua misericórdia. Dar esmola, para sair da insensatez de viver e acumular tudo para nós mesmos, com a ilusão de assegurarmos um futuro que não nos pertence. E, assim, reencontrar a alegria do projeto que Deus colocou na criação e no nosso coração: o projeto de amá-Lo a Ele, aos nossos irmãos e ao mundo inteiro, encontrando neste amor a verdadeira felicidade.

Queridos irmãos e irmãs, a «quaresma» do Filho de Deus consistiu em entrar no deserto da criação para fazê-la voltar a ser aquele jardim da comunhão com Deus que era antes do pecado das origens (cf. Mc 1,12-13; Is 51,3). Que a nossa Quaresma seja percorrer o mesmo caminho, para levar a esperança de Cristo também à criação, que «será libertada da escravidão da corrupção, para alcançar a liberdade na glória dos filhos de Deus» (Rm 8, 21). Não deixemos que passe em vão este tempo favorável! Peçamos a Deus que nos ajude a realizar um caminho de verdadeira conversão. Abandonemos o egoísmo, o olhar fixo em nós mesmos, e voltemo-nos para a Páscoa de Jesus; façamo-nos próximo dos irmãos e irmãs em dificuldade, partilhando com eles os nossos bens espirituais e materiais. Assim, acolhendo na nossa vida concreta a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, atrairemos também sobre a criação a sua força transformadora.

Vaticano, Festa de São Francisco de Assis, 4 de outubro de 2018.

Jantar de angariação de fundos para a Igreja de S. Gonçalo

Festa do Compromisso

Oração Mariana

 

No 1º Domingo de cada mês,
às 16h, realiza-se no Santuário de Nª Sra do Socorro uma Oração Mariana.
Não é Terço nem Eucaristia. É uma celebração diferente todos os meses seguinto um guião distribuído a todos.
Os Guiões podem ser consultados neste site no menu " ARQUIVOS".

Hoje, 3 de Fevereiro de 2019, às 16h,  vamos realizar a 95ª Oração Mariana.

Viagem a Santiago Compostela e Rias Baixas

6 e 7 de Abril de 2019
Programa, Preço e Condições.

FESTA DE S.SEBASTIÃO



É já no próximo Domingo !
Participemos...

Homenagem aos Padrinhos de Baptismo

 

Na celebração do Domingo, dia 13 de Janeiro, na Igreja Matriz, fazemos uma homenagem aos Padrinhos de Baptismo.

Os Padrinhos estão de Parabéns nesta celebração do dia do "Baptismo do Senhor".
 

A responsabilidade dos padrinhos de batismo
Ser convidado para assumir a missão de padrinho ou madrinha de batismo é uma honra, mas também uma grande missão, encargo que deve ser assumido com grande responsabilidade.
Ser padrinho não é apenas estar presente na celebração do rito do batismo, mas é se fazer presente durante toda a vida daquele que, pela graça, torna-se naquele momento filho de Deus.

Contexto Histórico
A figura dos padrinhos nos remonta ao século IV, época das perseguições romanas e das heresias pagãs. Aos padrinhos cabia a missão de instruir os catecúmenos na fé católica, preservando-os das heresias que rodeavam as comunidades cristãs naquela época. Tratando-se de crianças, os padrinhos tinham a responsabilidade de professarem a fé em nome delas, além de educá-las conforme a doutrina.

Uma relação espiritual
O padrinho não é apenas um amigo, um parente com um título especial ou uma visita importante, “pelo batismo, cria-se uma relação espiritual entre o afilhado e o padrinho, relação que é muito real”. Essa relação espiritual deve ser manifestada no cotidiano, em todos os momentos, os padrinhos devem rezar pelos afilhados, dar-lhes um exemplo de vida cristã autêntica, ser para os afilhados sinal profético de Cristo, a fim de que, pelo exemplo e por sua oração, eles possam alcançar as virtudes necessárias para serem também bons cristãos.

O padrinho é um segundo pai, uma segunda mãe.
Trata-se de um laço que deve ser construído naturalmente durante toda a vida, “quem apadrinha obriga-se a manter um afetuoso interesse pelo afilhado durante toda a vida”. São aqueles que auxiliarão os pais na formação cristã do afilhado, estando atentos a fazerem de tudo para que ele cresça na fé católica, principalmente se os pais venham a faltar ou se afastem da fé católica, “esse é o papel do padrinho ou da madrinha, que devem ser cristãos firmes, capazes e prontos a ajudar o novo batizado, criança ou adulto, em sua caminhada na vida cristã. A tarefa deles é uma verdadeira função eclesial”.

Santa Maria, Mãe de Deus

 

No primeiro dia do ano celebra-se a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus: somos convidados a contemplar a figura de Maria, aquela mulher que, com o seu "sim" ao projeto de Deus, nos ofereceu Jesus, o nosso libertador.

  Por detrás do nome “Mãe de Deus” está a confissão na divindade de Jesus de Nazaré; o título “Mãe de Deus” não diz tanto de Maria, quanto de Jesus. Ela é a mãe daquele homem/menino que está aí, “deitado na manjedoura”; mas como esse menino é Deus, então podemos chamá-la também de mãe de Deus, e glorificá-la com esse título, que nos ajuda a penetrar na densidade do mistério da encarnação: Jesus é Deus já desde o ventre materno de Maria.

  Esta solicitude maternal de Maria, habitada por esta imensa melodia que nos vem de Deus e nos reconcilia, levou o Papa Paulo VI, a associar, desde 1968, à Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, a celebração do Dia Mundial da Paz. Basta fazer bem as contas para nos apercebermos que celebramos este ano o 52º Dia Mundial da Paz.

  Olhada por Deus com singular olhar de Graça, para ela elevamos os nossos olhos de filhos enlevados.

  Mãe de Deus, Senhora da Alegria, Mãe igual ao Dia, Maria. A primeira página do ano é toda tua, Mulher do sol, das estrelas e da lua, Rainha da Paz, Aurora de Luz, Estrela matutina, Mãe de Jesus e também minha, Senhora de Janeiro, do Dia primeiro e do Ano inteiro.

  Abençoa, Mãe, os nossos dias breves. Ensina-nos a vivê-los todos como tu viveste os teus, sempre sob o olhar de Deus, sempre a olhar por Deus. É verdade. A grande verdade da tua vida, o teu segredo de ouro. Tu soubeste sempre que Deus velava por ti, enchendo-te de graça. Mas tu soubeste sempre olhar por Deus, porque tu soubeste bem que Deus também é pequenino. Acariciada por Deus, viveste acariciando Deus. Por isso, todas as gerações te proclamam «Bem-aventurada»! Por isso, nós te proclamamos «Bem-aventurada»!

  Senhora e Mãe de Janeiro, do Dia Primeiro e do Ano inteiro. Acaricia-nos. Senta-nos em casa ao redor do amor, do coração. Somos tão modernos e tão cheios de coisas estes teus filhos de hoje! Tão cheios de coisas e tão vazios de nós mesmos e de humanidade e divindade! Temos tudo. Mas falta-nos, se calhar, o essencial: a tua simplicidade e alegria. Faz-nos sentir, Mãe, o calor da tua mão no nosso rosto frio, insensível, enrugado, e faz-nos correr, com alegria, ao encontro dos pobres e necessitados, dos migrantes e refugiados.

  Que seja, e pode ser, Deus o quer, e nós também podemos querer, um Ano Bom, cheio de Paz, Pão e Amor, para todos os irmãos que Deus nos deu! E que Santa Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe nos abençoe também.

http://www.imissio.net/artigos/51/1036/santa-maria-mae-de-deus-maria-a-senhora-deste-dia/

Solenidades Móveis de 2019

Anúncio das Solenidades Móveis de 2019

Irmãos caríssimos, a glória do Senhor manifestou-se, e sempre há de manifestar-se no meio de nós, até a sua vinda no fim dos tempos.
Nos ritmos e nas vicissitudes do tempo, recordamos e vivemos os mistérios da salvação.
O centro de todo o Ano Litúrgico é o Tríduo do Senhor crucificado, sepultado e ressuscitado, que culminará no Domingo de Páscoa, este ano em 21 de abril.
Em cada domingo, Páscoa semanal, a Santa Igreja torna presente este grande acontecimento, no qual Jesus Cristo venceu o pecado e a morte.
Da celebração da Páscoa do Senhor derivam todas as celebrações do Ano Litúrgico:
     - as cinzas, início da Quaresma, em 06 de março;
     - a Ascensão do Senhor, em 02 de junho;
     - o Pentecostes, em 09 de junho;
     - o 1º Domingo do Advento, em 01 de dezembro.

Também as festas da Santa Mãe de Deus, dos Apóstolos, dos Santos, e na comemoração dos Fiéis Defuntos, a Igreja peregrina sobre a terra proclama a Páscoa do Senhor.
A Cristo que era, que é e que há de vir, Senhor do tempo e da história, louvor e glória pelos séculos dos séculos.
Amém.

Celebrações em 2019
(com data móvel)

Epifania do Senhor – 6 de Janeiro;
Batismo do Senhor –  13 de Janeiro;
Quarta-feira de Cinzas – 6 de Março;
Páscoa da Ressurreição/Domingo – 21 de Abril;
Ascensão do Senhor – 02 de Junho;
Domingo de Pentecostes – 09 de Junho;
Santíssima Trindade –  16 de Junho;
Sant. Corpo e Sangue de Cristo – 20 de Junho;
Sagrado Coração de Jesus – 28 de Junho;
Cristo Rei do Universo – 24 de Novembro;
Domingo I do Advento – 1 de Dezembro;
Sagrada Família – 29 de Dezembro.

Read More



Avisos da Semana

Catequese
Escuteiros
Grupo Coral
Caritas
Catequese
Catequese
Catequese

Catequese